Ads Top

Warner Bros. prova que aprendeu as lições erradas com o Snyderverse


Warner Bros. fez grandes mudanças em seus planos para DCEU após Batman vs Superman, mas O Esquadrão Suicida mostra que eles aprenderam todas as lições erradas.


Apesar de sua recepção positiva e uma alta pontuação do site Rotten Tomatoes, O Esquadrão Suicida está falhando em atender às expectativas de bilheteria, provando à Warner Bros. que a reação extrema a recepção inicial de Batman vs Superman foi equivocada. Os planos da WB para os filmes da DC, estão em todo lugar, devido ao seu fracasso em aprender as lições certas com a bilheteria e pontuação (no Rotten Tomatoes) de Batman vs. Superman, colocando o DCEU em um estado prolongado de desordem.

Depois que Batman vs. Superman teve uma pontuação chocantemente baixa no Rotten Tomatoes e, viu uma grande queda em seu segundo final de semana de bilheteria (apesar de um fim de semana de abertura recorde), a WB entrou em pânico. Eles atrasaram o início das gravações de Liga da Justiça, que estava programada para ser filmada imediatamente após Batman vs. Superman, para que Zack Snyder e Chris Terrio reescrevessem o roteiro. Enquanto também ordenavam, de última hora, refilmagens de Esquadrão Suicida, de David Ayer, para adicionar mais humor. Iniciando uma reação em cadeia da qual a DCEU foi incapaz de se recuperar até hoje, enquanto a WB continua tentando escapar da sombra da Era Snyder.

Agora, cinco anos depois, as consequências dessa estratégia fracassada estão apenas se tornando mais aparentes. Os executivos da WB, na época, invejavam o histórico impecável da Marvel no site Rotten Tomatoes e nas bilheterias, não entendendo que as pontuações consistentemente altas das avaliações do MCU, eram apenas um sintoma desse sucesso, enquanto a causa real era o conhecimento da construção que Kevin Feige tinha da franquia. Se a WB realmente quisessem aprender as lições certas com Batman vs. Superman, eles deveriam ter olhado para como Feige foi paciente, enquanto estabelecia as bases do Universo Cinematográfico da Marvel e, em como demonstrou confiança em seus criativos, gerando entusiasmo para o plano MCU. Em vez disso, a WB está produzindo filmes como O Esquadrão Suicida, que geram reações positivas no lançamento, mas não conseguem justificar seus próprios orçamentos ou gerar entusiasmo pelo que está por vir.

O foco da WB no site Rotten Tomatoes foi o que sabotou o DCEU



Em vez de se concentrar na construção de seu universo cinematográfico, a DC tentou emular os filmes da Marvel, perseguindo o humor e o estilo de Deadpool e Os Guardiões da Galáxia, com as refilmagens encomendadas para Esquadrão Suicida, de David Ayer, e contratando o diretor, dos dois primeiros filmes de Vingadores, Joss Whedon, para transformar a fotografia principal de Zack Snyder em um tom mais alinhado com o trabalho de Whedon no MCU.

Cada uma dessas táticas falhou em conseguir o que a WB realmente queria. Esquadrão Suicida foi massacrado pelos críticos, marcando uma pontuação no Rotten Tomatoes ainda mais baixa do que Batman vs. Superman. Na sequência, veio Liga da Justiça, marcando outra pontuação baixa no site de avaliação, tornando-se o filme de menor bilheteria da DCEU até aquele momento. Mesmo juntando os maiores heróis da DC e sendo o filme mais caro da franquia, esta foi a única "conquista" que a produção obteve. Mulher-Maravilha e Aquaman foram bem avaliados e muito bem-sucedidos financeiramente, mas ambos são, em última análise, produtos da Era Snyder que a WB estava tentando escapar.

O DCEU, de fato, teve dois filmes consecutivos com altas pontuações do Rotten Tomatoes, mas a bilheteria praticamente desapareceu em comparação com os episódios anteriores da franquia. Shazam! e Aves de Rapina, são dois dos filmes mais comentados do DCEU, mas também representam os filmes de menor bilheteria da franquia até agora (com exceção de O Esquadrão Suicida). Embora não haja nenhuma ligação entre as pontuações do site Rotten Tomatoes e a bilheteria, cada filme dirigido ou desenvolvido durante a Era Zack Snyder, ganhou mais nas bilheterias que os filmes feitos após sua saída, exceto a Liga da Justiça de Zack Snyder, que não foi lançado nos cinemas (e ainda não tem números oficiais de sua atuação na HBO Max). É difícil saber como Mulher-Maravilha 1984 teria sido recebido nas bilheterias se não fosse o cenário pandêmico, apesar que pode não ter feito uma grande diferença, já que o filme estreou no site Rotten Tomates com alta pontuação, caindo após seu lançamento. Mulher-Maravilha 1984 pode ter sido uma bênção para a HBO Max, mas por outro lado, não há muito o que escrever, sem contar que praticamente foi quase esquecido, em menos de um ano.

As boas críticas para O Esquadrão Suicida não o salvaram das bilheterias



Então, veio O Esquadrão Suicida e embora a contratação de um ex-diretor da Marvel não tenha funcionado para Liga da Justiça, a Warner Bros. tentou novamente, dessa vez trazendo James Gunn. Para ser justo, a WB conseguiu exatamente o que queria com seu novo filme, atraindo muitos elogios da crítica e estreando com uma pontuação de 100% no Rotten Tomatoes, estabelecendo sua segunda maior pontuação do DCEU no site, abaixo apenas de Mulher-Maravilha. Infelizmente, a pontuação do Rotten Tomatoes não se traduz em sucesso de bilheteria. Assim como Mulher-Maravilha 1984, nunca saberemos o que O Esquadrão Suicida teria feito financeiramente se não fosse pela pandemia, embora ao descartar a bilheteria como uma vítima inevitável do coronavírus, deixaríamos de lado alguns outros fatores importantes, como a brusca queda de bilheteria no segundo final de semana de estreia.

Embora a bilheteria total nunca tenha tido muitas chances, e por isso, o filme foi lançado simultaneamente na HBO Max (nos EUA), a queda de bilheteria do segundo final de semana de estreia, foi um número proporcional, não sendo apenas a maior queda na história do DCEU, mas também a maior queda de segundo final de semana para qualquer blockbuster lançado pós-pandemia. Uma queda maior que Batman vs Superman obteve em seu segundo final de semana de estreia, fato que culminou para na época a Warner Bros. detonasse seus planos para franquia.

Apesar da alta pontuação no Rotten Tomatoes, O Esquadrão Suicida obteve exatamente o mesmo B+ CinemaScore que Esquadrão Suicida, de 2016 (logo acima do B, obtido por Batman vs. Superman). CinemaScore não é a ferramenta mais precisa, já que é apenas uma pesquisa pessoal conduzida aleatoriamente na noite de estreia de um filme, mas é geralmente aceita como um indicador da recepção pelo público em geral, o conhecido 'boca-a-boca', que é um fator importante nas quedas de bilheteria no segundo fim de semana.

Apesar de ter a cor, o humor e, especialmente, a pontuação do Rotten Tomatoes que a WB tanto procurava, ainda teve um desempenho inferior, mesmo para os padrões de bilheteria pandêmica. É difícil condenar o desempenho financeiro de um filme com tantas circunstâncias em jogo fora do controle do cineasta e do estúdio, mas o único aspecto positivo a ser colocado no desempenho de O Esquadrão Suicida, é que ele está indo bem na HBO Max (EUA), o que pode deixar mais equilibrado e lucrativo do que nos cinemas, apesar de ser duvidoso que a WB esteja empolgada com a bilheteria do filme.

O tom nunca foi o problema do DCEU



Desde o lançamento de Batman vs. Superman, a Warner tem pressionado por filmes alegres, adicionando humor em suas produções, aparentemente para corresponder mais ao tom do MCU, como os detratores exigem há anos. Zack Snyder já havia dito que eles estavam obcecados em tornar a Liga da Justiça mais engraçada. Embora nada esteja errado com os tons cômicos, os fãs, que aderiram o DCEU naquele momento, estavam a bordo de um tom de história diferente do que o estúdio queria, então, a mudança drástica de tom não apenas afastou os maiores apoiadores da franquia, como também não conectou com o novo público que estava entusiasmado com a nova direção. Na verdade, parece que o tom não era o problema da franquia, principalmente quando o diretor Todd Phillips conseguiu lançar o filme solo do Coringa, tornando-se uma das produções de maior bilheteria da DC, mesmo sendo num tom totalmente oposto que a WB queria direcionar a DC nos cinemas.

Finalmente, anos depois, recebemos a visão original de Zack Snyder para Liga da Justiça, e é ainda mais confuso entender o motivo que fez a Warner Bros. acionar o alarme de pânico e abandonar a direção que havia estabelecido inicialmente. O filme é muito mais leve que Batman vs. Superman, existindo muito mais humor que qualquer coisa que foi gravada e inserida por Joss Whedon, ao mesmo tempo que introduz Darkseid e um dos momentos mais impressionantes dos filmes de quadrinhos, que é a viagem no tempo de Flash. Além das quatro horas de duração, o filme oferece tudo o que a Warner Bros. queria, em 2016, o único problema é que agora não faz mais parte dos planos do estúdio. A CEO Ann Sarnoff, após o lançamento de Snyder Cut, imediatamente se manifestou, afirmando que a história não teria continuação e que Zack Snyder não faria mais nenhum filme para DC Comics, descartando seu plano para a franquia. O mesmo plano que o estúdio falhou em apoiar ou promover em 2016/2017.

A Warner deveria ter aderido o plano original
(ou qualquer plano)



Pouco depois da WB ordenar as alterações de Liga da Justiça (2017) e as refilmagem de Esquadrão Suicida, já se notava que essas posturas eram extremas demais. Em junho de 2016, a versão do diretor, de Zack Snyder, para Batman vs. Superman (Ultimate Edition) foi lançada, esclarecendo detalhes da trama e adicionando mais desenvolvimento aos personagens, universalmente, a versão é considerada superior ao corte que chegou aos cinemas. Então, em maio de 2017, Mulher-Maravilha foi lançado, Snyder esteve fortemente envolvido na produção do longa, trazendo Allan Heinberg para ajudá-lo a desenvolver a história e fazendo-o escrever o roteiro, antes de Patty Jenkins ser contratada como diretora. Jenkins trabalhou em estreita colaboração com Snyder, mas fez o filme ser seu. Snyder foi produtor, junto com sua esposa, Deborah Snyder, e seu parceiro de produção Wes Coller. Jenkins, também, trouxe vários dos colaboradores mais frequentes de Snyder para a equipe. Mulher-Maravilha se tornaria um dos filmes de quadrinhos com maior audiência de todos os tempos no Rotten Tomatoes, além de deter o título de maior ganhador de bilheteria da DCEU.

Em seu desejo de emular o sucesso do MCU, com o DCEU, os executivos ignoraram como a Marvel realmente começou sem universo cinematográfico. E, particularmente, como eles lidaram com seus próprios tropeços iniciais, principalmente na Fase 1 com O Incrível Hulk, numa recepção crítica e silenciosa, ou as críticas de Homem Ferro 2, sobre seu enredo de construção do universo. Na verdade, vários filmes da Fase 1, do MCU, ficaram muito aquém das expectativas de bilheteria que a franquia atinge hoje. Capitão América: O Primeiro Vingador, Thor e O Incrível Hulk ainda estão entre as bilheterias mais baixas, mas Capitão América e Thor continuaram com suas sequências muito mais lucrativas (enquanto Hulk ainda está preso no limbo dos direitos do personagem).

Kevin Feige pode ter feito alguns pequenos ajustes para dar conta das lições aprendidas durante a Fase 1, mas ele não descartou todo o plano, pedindo uma revisão massiva de sua abordagem. Mesmo depois que Vingadores: A Era de Ultron recebeu feedback negativo, sobre as confusas sequências do sonho, a Marvel não decidiu simplesmente abandonar os planos de trazer Thanos para o MCU ou esquecer completamente as Joias do Infinito, como WB fez com os tópicos da história de Snyder, assim como a configuração da linha do tempo de Knightmare. O benefício de seguir um plano é que o universo em si pode realmente gerar uma recompensa maior, como finalmente vimos na Liga da Justiça de Zack Snyder. O foco em constante mudanças perde essa sinergia e falha em construir laços com o público de filme para filme.

A indecisão sobre como seguir em frente com o DCEU era pior do que se eles simplesmente tivessem seguido em frente com um plano imperfeito. A Marvel anunciou suas próximas fases 2 e 3, apresentando Vingadores: Guerra Infinita e Vingadores: Ultimato, confirmando oficialmente que a coisa toda estava levando em direção a Thanos e a Manopla do Infinito, em um grande crossover. Enquanto isso, Zack Snyder tinha um plano traçado, que viria a ser o grande crossover final com os heróis da DC defendendo a Terra de Darkseid e das Forças de Apokolips, mas a natureza desse plano nunca foi esclarecida na época, e a franquia foi criticada por não seguir um plano como do MCU. Enquanto o esboço da história já havia sido traçado nos quadros brancos, do escritório da WB, por Zack Snyder, Jim Lee e Geoff Johns.

O fato de que Darkseid estaria em Liga da Justiça nem era conhecido até ser revelado por um storyboard vazado, meses depois do corte dos cinemas estrear. Mesmo que WB ainda achasse absolutamente necessário se afastar de Snyder, sem terminar seu plano, eles precisavam mostrar compromisso com o público, apresentando outro plano e seguir em frente para inspirar confiança na marca. Em vez disso, o que vemos são mensagens confusas, falsos inícios, anúncios de filmes que nunca decolaram e mudanças na estratégia de tal forma que mesmo cinco anos depois, o DCEU não fez nada para realmente superar os eventos da Liga Justiça (2017), tanto no universo cinematográfico, quanto na vida real.

Quem sabe como as coisas teriam sido, se a Warner tivesse se mantido firme após o lançamento de Batman vs. Superman. Talvez pequenas mudanças ainda fossem necessárias, mas eles poderiam ter evitado o drama e o constrangimento de grandes campanhas promovidas por fãs, como: #ReleaseTheSnyderCut, #ReleaseTheAyerCut e #RestoreTheSnyderverse, que servem como constantes lembretes de seus erros de 2016. Na verdade, todo o arco do Snyder estaria sendo concluído por agora, com Zack se mudando provavelmente para outros projetos e deixando o futuro da franquia para outro cineasta.

Sobre O Esquadrão Suicida, sua bilheteria pode não ser o pior problema do mundo, desde que faça seu trabalho que é aumentar as assinaturas da HBO Max. Mas a decisão da Warner Bros em detonar os planos originais da franquia após Batman vs Superman: A Origem da Justiça, para ir em busca de melhores resultados na pontuação do site Rotten Tomatoes, só obteve filmes melhores avaliados, mas que não vendem grande bilheteria e nem geram demanda para sequências ou spin-offs, o que geralmente se é esperado de um filme de franquia moderna.

Ao que tudo indica, o estúdio está no modo "dane-se" para a invasão iminente de Darkseid e a linha do tempo pós-apocalíptico Knightmare, de Batman. O importante é ganhar tomates frescos do site Rotten Tomatoes.
 
Tradução do artigo "The Suicide Squad Proves WB Learned the Wrong Lessons From BvS" do Screen Rant.

Andre Guilherme

É Andre, sem acento mesmo. Um viajante do Multiverso com Q.I elevado para Legos.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.